População não respeita preferenciais para idosos

29/07/2014 19:52

A Matéria Emplacada inicia hoje, uma série de reportagens sobre os Direitos dos Idosos. Na semana passada a ME visitou locais que possuem atendimentos preferenciais e vagas para idosos.

O Estatuto do Idoso de 2003, afirma que idosos são pessoas com idade igual ou superior a 60 anos. “A garantia de prioridade compreende: atendimento preferencial e individualizado junto aos órgãos públicos e privados prestadores de serviços à população”, diz o Estatuto.

No último dia 16, o PROCON de Piracicaba promoveu uma palestra sobre o Direito do Consumidor da Terceira Idade. O encontro foi exclusivo para membros do trabalho Social com Idosos.

 A Advogada Patrícia Aparecida Simão afirmou à reportagem da Matéria Emplacada que palestras e comerciais que abordam os Direitos dos Idosos, buscam orientar a população a combater a violência aos idosos, e ainda, prevenir os seus direitos e os benefícios sociais à disposição desta parcela da população, “muitas vezes esquecidas pelos seus familiares”. “Tudo com a finalidade de manter a dignidade da terceira idade. Assim, busca-se garantir, sobretudo os direitos sociais, com destaque para o acesso à saúde e à aposentadoria, ou alguma outra renda”, acentuou a Advogada, Pós Graduada em Direito Processual Civil.

No estacionamento de um hipermercado localizado no bairro Jupiá em Piracicaba, durante o período que a reportagem esteve presente (30 minutos), dois veículos, com motoristas e passageiros jovens, estacionaram nas vagas destinadas a idosos.

Ao serem abordados pela reportagem do ME, e avistarem a identificação de imprensa, trocaram o carro de local. Questionados se sempre estacionam na vaga de idosos, responderam: “Eu iria parar ali (apontando em outra vaga não preferencial), mas o carro parou em duas vagas”, disse um motorista. Já o outro motorista: “Eu não vi a placa”, quando a reportagem mostrou a placa: “Eu quis parar ali, tem algum problema?”, questionou.

 A Matéria Emplacada informou ao motorista e a acompanhante que em Lei, os Idosos possuem prioridade. A partir disso, a reportagem foi hostilizada pelo casal.

Em estacionamentos particulares, a especialista lamenta que “infelizmente a Lei não previu este abuso e não regulamentou o que deveria ser feito para punir esses infratores”.

Mas ela ressalta que em vias públicas o órgão responsável pelo trânsito da cidade deve multar e guinchar o veículo que “desrespeitar” as vagas reservadas aos idosos.

A reportagem da Matéria Emplacada visitou também a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro Vila Sônia.

Na unidade, a ME esteve no domingo (20), no período da tarde.

Esperando sua esposa de 60 anos, a qual estava tomando soro, o operador de sondagem, Oracir Alves de Oliveira, 59, diz: “Ela já ficou de 40 minutos a uma hora esperando atendimento”.

Ela que completou 60 anos no dia 21 de junho, há dez anos têm atendimento preferencial. “Devido deficiência na perna em um acidente de carro”, afirmou Oracir.

Uma enfermeira disse à ME, que o atendimento (no dia 20) estava “tranqüilo”. A profissional ressaltou também que o atendimento é feito por cores. Segundo ela, “o atendimento na cor verde é mais demorado”. Em um painel visto pela reportagem, na sala de espera, a cor verde: “O usuário será atendido, mas seu caso não é prioritário, pode esperar”.

As cores são do Sistema de Triagem de Manchester. Metodologia científica que confere classificação de risco para os pacientes que buscam atendimento em uma unidade de pronto atendimento.

 

Cartão para a utilização de vaga preferecial a pessoas com idade superior a 60 anos (Foto: Divulgação Detran)

 

Reportagem: Reinaldo Diniz